Natura
cuide de voc

Brasileiros nikkeis foram os mais atingidos pela pandemia

A pandemia eliminou mais de 50.000 empregos até o final de agosto.

Por Palmir Cleverson Franco em 26/09/2020 às 11:13:05

Um número crescente de estrangeiros que trabalham no Japão, a maioria com contratos de trabalho por prazo determinado, está procurando ajuda depois de perder seus empregos em meio à nova crise do coronavírus.

Trabalhadores de países estrangeiros estão vendo um ambiente de trabalho mais difícil devido à pandemia, que eliminou mais de 50.000 empregos para eles até o final de agosto.

Na província de Aichi, sede da indústria automobilística do Japão, vários fornecedores de peças automotivas foram severamente atingidos por quedas acentuadas nos pedidos devido à queda nas vendas de veículos em todo o mundo em meio à pandemia, e começaram a rescindir contratos com os estrangeiros que contrataram, principalmente brasileiros descendentes de japoneses.

A prefeitura na região central do Japão tinha a segunda maior população estrangeira no Japão depois de Tóquio, incluindo cerca de 62.000 brasileiros – ou um terço dos brasileiros que vivem no país – no final de 2019.

Enfrentando a difícil situação de emprego, para a qual a disputa comercial entre EUA e China também contribuiu, cerca de 100 trabalhadores, principalmente estrangeiros, se juntaram ao Sindicato de Nagoya Fureai no ano passado para negociar coletivamente com seus empregadores.

"Muitos trabalhadores estrangeiros não sabem os termos do contrato porque não podem ler os contratos", disse Shuichiro Tsurumaru, que dirige o sindicato individual dos trabalhadores com sede em Nagoya, a capital da província.

Gilberto Yutaka Nakao, 61, nipo-brasileiro de segunda geração que há mais de 20 anos trabalha para uma montadora de autopeças na cidade de Nishio, ingressou no sindicato depois de ser informado pela empresa no final de abril que seu contrato seria encerrado porque completou 60 anos, uma decisão que não pôde aceitar.

Como membro do sindicato, Nakao conseguiu trazer a administração da empresa à mesa de negociações para buscar emprego continuado. Ele voltou ao trabalho com sucesso dois meses depois, após obter um acordo com a administração para que ele se tornasse um empregado permanente, em linha com uma disposição legal que permite que aqueles que trabalham com um contrato de trabalho a termo certo com o mesmo empregador por pelo menos cinco anos solicitar a conversão para um contrato por tempo indeterminado.

Ao expressar seu agradecimento por poder continuar trabalhando no Japão, Nakao diz que os trabalhadores estrangeiros e japoneses devem ser tratados da mesma forma. Na empresa onde trabalha, cerca de 100 pessoas tiveram seus contratos de trabalho rescindidos no final de julho e agora estão preparando ações judiciais.

Pessoas familiarizadas com o assunto disseram que em muitos casos de rescisão de contrato os reclamantes acabaram ganhando apenas um acordo financeiro, pois seus contratos de trabalho eram por prazo determinado.

Nakao está determinado a continuar suas atividades como membro do sindicato para ajudar os estrangeiros que perderam seus empregos.

Desde que a lei de controle de imigração foi revisada em 1990, quando muitos trabalhadores migrantes vieram do Brasil, as empresas japonesas reduziram o período de contratação de trabalhadores com prazo fixo para três meses para que possam ajustar sua força de trabalho com base nas perspectivas de produção trimestrais, explica Kiyoto Tanno, professor da Tokyo Metropolitan University.

O especialista em problemas trabalhistas enfrentados pelos nipo-brasileiros também observa que "a política de gestão vigente de reduzir os estoques o máximo possível está levando a uma situação de emprego instável para eles".

Ele sugere que os empregadores "assinem, pelo menos, contratos anuais com trabalhadores estrangeiros".

Fonte: Mundo Nipo

cuide de voce

Comentários

OBOTICARIO