24/09/2021 (67) 99336.1470

Entretenimento

Natura

Conheça os 13 personagens LGBTQIA+ do universo dos games

Por PALMIR CLEVERSON FRANCO 30/06/2021 às 18:14:18

Representação! Segundo publicações acadêmica significa: "Fazer presente alguém ou alguma coisa ausente, inclusive uma idéia, por intermédio da presença de um objeto." O que segundo eles, o próprio conceito de representação é muito complicado. Buscamos representatividade em todos os locais, como crianças que precisam de uma figura paterna.

Aí já está algo que é complicado. Realmente precisa de uma figura paterna? E a mãe? E o que é ser pai, ser mãe, tio, avô, SER família, alguém nos dias de hoje? Como é sempre dito, isto abre discussão, onde deveria existir diálogo. De qualquer forma, temos e precisamos ter algo que represente uma parcela da sociedade que não é pequena e gostaria muito que ninguém tivesse "modos" de se conversar com elas.

E qual o melhor local do que o entretenimento, principalmente os jogos? Em livros, séries, cinema e quadrinhos, estamos olhando para histórias já existentes, muitas vezes apenas com um ator ou atriz na pele do personagem. Já nos jogos, mesmo que seja uma história escrita e até pré-definida, ainda temos a oportunidade de "fazer escolhas", de seguir por caminhos, e principalmente, sermos aquele determinado personagem. Por este motivo, listamos abaixo 20 personagens LGBTQIA+ do universo dos games! A ordem da lista é aleatória.

1. Birdo

Isso mesmo. A criatura magenta encontrada em muitos títulos de Super Mario Bros. tem a honra de ser o primeiro personagem transgênero do mundo dos jogos. Em Super Mario Bros. 2 de 1988, a fera cuspidora de ovos é descrita como um menino "que pensa que é uma menina". Na versão japonesa de Mario Kart Double Dash, uma descrição da personagem (chamada Catherine em todos os lançamentos japoneses) afirma que ela "parece ser a namorada de Yoshi, mas na verdade é seu namorado". Deixando de lado a insensibilidade ao pronome, o personagem representou a maior parte do panteão de personagens de Mario por quase três décadas.

2. Poison

Esta enganou muito marmanjo no século passado quando Final Fight foi lançado. Apresentada como uma vilã no jogo de arcade de 1989, a transgênero bandida Poison estava entre os muitos vilões nomeados para grupos de rock dos anos 80 neste game. Ela lutou ao lado da trans Roxy no lançamento japonês, embora as versões norte-americanas desse jogo tenham substituído os vilões por personagens masculinos para evitar representações de violência contra as mulheres. Poison tornou-se parte da franquia Street Fighter.

3. Kaidan Alenko

Um dos movimentos mais incrivelmente progressivos da BioWare veio com o lançamento de Mass Effect 3 em 2012, onde o protagonista principal pode escolher iniciar um romance entre pessoas do mesmo sexo com o personagem existente de Kaidan. Enquanto o sentinela sempre pode se tornar um interesse amoroso para uma Shepard feminina no primeiro jogo Mass Effect, a chance de enganchar um Shepard homem e um Kaidan presumivelmente bissexual entrou no jogo mais tarde (pelo menos até um enredo dedicado), mas sem dúvida alguma, valeu a espera!

4. Ellie

À medida que a série The Last of Us progride, Ellie passa para o papel de protagonista. Ela também amadureceu em seus desejos românticos e em conteúdo para download para o game Left Behind. O criador Neil Druckman confirmou que a personagem é gay – e como quem já jogou e viu em vários vídeos, já sabe -, embora quando ela foi criada com 14 anos em um mundo pós-apocalíptico, isso não foi necessariamente planejado.

5. Trevor Phillips

Grand Theft Auto é frequentemente criticado pelos críticos por sua violência incrivelmente gráfica e glamorização das armas e da cultura das gangues, mas muitos perdem as nuances e o subtexto do mundo e a diversidade dos personagens dentro dos jogos. Houve alguns personagens LGBT em GTA, mas Trevor Phillips é a primeira vez que você assume o controle de um personagem pan-sexual (não confirmado).

Trevor é um sociopata violento, que mata sem remorso, mas também é ferozmente leal àqueles próximos a ele – uma pessoa complicada e bem escrita, com várias camadas, que é igualmente importante para a representação LGBT nos jogos. Ele certamente não é uma influência positiva para o movimento LGBT, mas ter personagens de todas as origens é importante, especialmente porque GTA é uma franquia massiva jogada por milhões de jogadores. Provas de sua pansexualidade vêm de ele admitir aberta e alegremente ter estuprado homens na prisão, sua mentalidade de "qualquer buraco é um objetivo" é revigorante no cenário de jogos fortemente heterossexuais, bem como flertar com qualquer coisa que se mova.

6. Jim Miller

Muitos jogos evitam apresentar personagens gays ou os têm como personagens extravagantes de alívio cômico que pouco servem para a história. Jim Miller resiste a essa tendência que aparece fortemente em Deus Ex Mankind Divided como o líder severo e comandante cujo objetivo é manter as pessoas seguras, um homem gay que não segue nenhum estereótipo e sua principal característica notável é ser bom em seu trabalho.

Sua sexualidade é descoberta aos poucos através do jogo e sua complicada relação com o marido e filhos adotivos é convincente, uma raridade em todas as formas de mídia e principalmente nos jogos. Apesar de ser um jogador coadjuvante no título, Miller é um personagem complicado e cheio de camadas, ele é alguém com um passado interessante que poderia ser facilmente explorado mais a fundo.

7. Lena "Tracer" Oxton

Tracer, foi anunciada pelos desenvolvedores de Overwatch como uma das maiores viradas de jogo em títulos de tiro baseados em classe, graças às suas habilidades de teletransporte e recall. Quando uma revista em quadrinhos investigando as histórias de fundo dos personagens foi lançada em dezembro, também mostrou que a personagem era inovadora de outra maneira quando revelou que ela tinha uma namorada, Emily, em casa. "Desde o início, queríamos que o universo de Overwatch fosse acolhedor e inclusivo e refletisse a diversidade de nossos jogadores ao redor do mundo", disse a equipe da Blizzard à Entertainment Weekly em um comunicado.

8. Parvarti

Outer Worlds foi lançado e, 2019 com uma recepção calorosa. O jogo remonta a uma época mais simples de RPGs que não apenas expandia constantemente o mundo físico, mas se concentrava nos personagens que viviam dentro dele. Parvati é uma personagem que você descobre desde o início e ela instantaneamente se tornou a mais popular do jogo.

Parvati é incrivelmente cativante; ela é doce, carinhosa e tímida, mas também uma mecânica competente e amiga fantástica, que prefere evitar a violência, uma grande aliada se você jogar de maneira não violenta. Uma missão inicial mostra o personagem jogável jogando cupido com Parvati e Junlei, você pode oferecer conselhos sobre o relacionamento deles e aprender sobre o seu romance florescente e as dificuldades que os personagens têm de se conectar fisicamente devido ao fato de Junlei ser assexual. É uma missão genuinamente doce e algo raro em jogos modernos.

9. Kung Jin

Kung Jin foi o primeiro personagem homossexual a entrar na série Mortal Kombat. Jin foi treinado pela The White Lotus Society e sendo gay ele acreditava que seria rejeitado. Ele é sobrinho de Kung Lao e, como seu tio, é um mestre dos projéteis, vindo equipado com seu arco e flecha de confiança. Kung Jin é o único que possui dois tipos de fatalidades, que incluem decapitação com um chute circular e um movimento de flecha empaladora. Como em todos os jogos Mortal Kombat, é exagerado, bárbaro e estranhamente divertido.

Apesar de Kung Jin ser um dos únicos personagens LGBTQIA+ confirmados em MK, sua sexualidade mal é mencionada com apenas esta citação "Eles se importam apenas com o que está em seu coração, não com quem seu coração deseja." aludindo à sua homossexualidade no jogo real. Com uma lista tão grande de personagens, os games de luta em geral ainda pecam em não ter lutadores LGBTQIA+ ou quando possuem, não darem o devido destaque.

10. Eleonor "Leo" Kliesen

Quando o personagem apareceu pela primeira vez no lançamento de Tekken 6 em 2009, muitos se perguntaram se Leo era o primeiro personagem transgênero da franquia, em parte por causa do traje que distorce as normas e em parte pela capacidade de usar itens que jogadores masculinos ou femininos podem equipar. Um nome completo seria mais tarde revelado como Eleonor Kliesen, parecendo confirmar um gênero de nascimento, mas a aparência do personagem permanece profundamente andrógina, e os debates continuam hoje quanto à identidade sexual do personagem.

11. Flea

Flea apareceu no RPG Chrono Trigger de 1995, deixando claro para os jogadores que a identidade de gênero é uma coisa fungível. No que foi descrito como o maior diálogo pró-trans na história dos games, Flea diz: "Homem ou mulher, que diferença isso faz? O poder é lindo, e eu tenho o poder." Precisa mais?

12. Rex Nebular

Embora não seja inicialmente o mais sensível dos protagonistas dos jogos, a estrela do jogo para PC de 1992 Rex Nebular and the Cosmic Gender Bender se vê na verdade mudando seu gênero no meio do jogo enquanto lida com uma sociedade onde os homens são tratados como reprodutores.

13. Curtis Craig

Phantasmagoria 2, um jogo de aventura da Sierra com tema maduro e amplamente esquecido, apresenta o primeiro personagem de videogame jogável que não é explicitamente heterossexual. Curtis Craig admite uma variedade de experiências e desejos sexuais, como explorar a cena S / M com a colega de trabalho Therese e sentir atração por nosso melhor amigo Trevor.

Fonte: Observatório dos Games

Comunicar erro
Comentários