Início Educação Ciência e Tecnologia – Árvore genealógica do DNA do Japão: os japoneses...

Ciência e Tecnologia – Árvore genealógica do DNA do Japão: os japoneses têm um ancestral antigo que ninguém conhecia

0
15

Recentemente, os cientistas assumiram a difícil tarefa de compilar uma árvore geológica de países inteiros. Anteriormente, eles já haviam criado uma árvore genealógica do DNA indiano e descoberto onde ficava a “pátria” dos índios. Num novo estudo, os cientistas foram mais longe e concentraram-se no estudo do material genético dos japoneses modernos, escreve IFL Ciência.

Em um novo estudo, os cientistas sequenciaram o DNA de 3.200 pessoas de diferentes regiões do Japão e descobriram que as conclusões anteriores de seus colegas estavam erradas – na verdade, os japoneses modernos são descendentes de três grupos de ancestrais, e não de dois, como se pensava anteriormente.

Anteriormente, os cientistas acreditavam que os japoneses modernos descendiam de dois grupos:

  • Os Jomon foram os primeiros caçadores-coletores que viveram aqui de 16.000 a 3.000 anos atrás; provavelmente ficaram isolados do resto do mundo durante o Último Máximo Glacial;
  • Os Yayoi eram agricultores imigrantes que viveram no Japão desde 900 AC. até 300 DC

Em 2021, os cientistas examinaram 12 genomas antigos e encontraram outro grupo ancestral na mistura: acredita-se que eles tenham chegado durante a transição do período Yayoi para o período Kofun (300-710 DC). Os autores do estudo argumentaram então que o Jomon manteve uma pequena população efetiva de cerca de 1.000 pessoas durante vários milênios. Este grupo de ancestrais mostrou diferenças profundas em relação às populações continentais que datam de 20.000 a 15.000 anos atrás, um período em que o Japão estava isolado pela elevação do nível do mar.

Os autores do estudo também encontraram um influxo posterior de ancestrais do Leste Asiático durante o período imperial Kofun. Curiosamente, estas características hereditárias ainda continuam a caracterizar as populações modernas. Como resultado, mesmo então os cientistas sugeriram que existiam três grupos ancestrais.

No novo estudo, os pesquisadores analisaram o material genético de mais de 3.000 pessoas e descobriram que Okinawa tinha a maior ascendência Jomon com 28,5%, com 18,9% no Nordeste e a menor no Oeste com 13,4%. Os cientistas também encontraram evidências de que os ancestrais dos japoneses modernos vêm de fato de três grupos que poderiam estar potencialmente relacionados com as antigas populações do Japão e da Península Coreana.

A equipe observa que seus resultados demonstram uma conexão mais estreita entre grupos ocidentais e chineses antigos ao redor do Rio Amarelo, especialmente durante o período Neolítico Médio e Superior. Ao mesmo tempo, os residentes do Nordeste apresentam maior semelhança genética com o genoma de Jomon e o antigo genoma japonês da Ilha Miyako em Okinawa, bem como com os antigos coreanos do período dos Três Reinos.

Os pesquisadores observam que serão necessárias pesquisas adicionais, mas os resultados já parecem muito intrigantes. Novas evidências podem indicar uma ligação potencial entre o Nordeste e o Nordeste da Ásia, embora sejam necessárias mais evidências para confirmar esta ligação.

Ao mesmo tempo, evidências históricas sugerem que o Nordeste era habitado pelo povo Emishi, que significa “camarões bárbaros”. Ao mesmo tempo, a origem deste povo ainda permanece pouco compreendida e os resultados de novos trabalhos realizados por cientistas podem lançar alguma luz sobre este mistério.

Anteriormente Foco escreveu que a singularidade do DNA humano moderno é de apenas 1,5%.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui