Jovens japoneses manifestam vontade de mudança da Lei de Imigração

0
57
Jovens japoneses manifestam vontade de mudança da Lei de Imigração

Enquanto os legisladores japoneses debatem as revisões da lei de imigração do país, os manifestantes – incluindo requerentes de asilo, seus apoiadores e advogados – marcham por Tóquio para se opor às propostas que eles afirmam serem cruéis e desumanas. Um painel das Nações Unidas compartilha suas preocupações sobre a deportação forçada de requerentes de asilo, a falta de revisão judicial e a imposição de penalidades criminais às pessoas que não cumpram as ordens de expulsão. As revisões foram elaboradas para lidar com a detenção de longo prazo de alguns estrangeiros. As mortes sob custódia destacaram a situação dos detidos, incluindo os casos de uma mulher do Sri Lanka que morreu em um centro de imigração em Nagoya no mês passado e um homem nigeriano que fez greve de fome para protestar contra a detenção de longo prazo em 2019 na Prefeitura de Nagasaki.

A maioria dos estrangeiros que recebem ordens de deportação da Agência de Serviços de Imigração do Japão obedecem e deixam o país. Mas aqueles que não o fazem são levados sob custódia. Isso inclui requerentes de asilo. A agência diz que aceitou cerca de um por cento dos pedidos de refugiados em 2020.

Petição reúne 40.000 assinaturas

Um dos grupos que lideram a campanha de protesto é o Posse, que é dirigido principalmente por pessoas na faixa dos 20 e 30 anos. A organização sem fins lucrativos, com sede em Tóquio e na província de Miyagi, oferece serviços de consultoria para trabalhadores estrangeiros, estudantes, estagiários técnicos e requerentes de asilo.

Posse lançou uma petição online em japonês e inglês pedindo aos legisladores que descartassem o projeto de revisão. Reuniu mais de 40.000 assinaturas em dois meses. Em 14 de abril, cerca de 20 voluntários, a maioria estudantes universitários, apresentaram a petição aos funcionários da imigração.

Eles também delinearam suas preocupações sobre as propostas atuais.

O estudante universitário Iwamoto Nana faz trabalho voluntário em apoio a jovens curdos em busca de asilo na província de Saitama em liberdade provisória. Uma delas tem a mesma idade que ela e tornou-se uma amiga.

“Meu amigo já se candidatou ao status de refugiado três vezes”, diz ela. “Se o projeto de revisão for aprovado, ela pode ser deportada à força, criminalizada e sua vida pode estar em perigo.”

Iwamoto observa que muitos outros enfrentam situações semelhantes. Ela diz que os requerentes de asilo no Japão “são parte de nossa sociedade, vivendo conosco. Nunca devemos chegar a uma situação em que suas vidas sejam tomadas; eles são criminalizados e excluídos de nossa sociedade”.

Pontos de vista do Japão

O projeto de revisão permitiria a deportação forçada de requerentes de asilo que solicitaram o status de refugiado três ou mais vezes. Penalidades criminais seriam impostas se eles não cumprissem as ordens de deportação. Isso evita que as pessoas façam aplicativos repetidos em uma tentativa de paralisar o processo.

As mudanças, que visam reduzir o número de estrangeiros detidos, permitiriam que algumas pessoas na lista de deportação permanecessem com familiares ou simpatizantes até deixarem o país.

Um painel do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas sobre Detenção Arbitrária emitiu uma declaração no mês passado que afirma que a proposta japonesa “está aquém dos padrões internacionais de direitos humanos”. O grupo de trabalho que considerou a versão preliminar da revisão concluiu que a política básica de uso da detenção no processo de deportação permanece inalterada. Os membros estão preocupados com o fato de alguns migrantes permanecerem sob custódia por períodos ilimitados sem revisão judicial.

A declaração da ONU aponta que a revisão que permite a deportação forçada de pessoas que tiveram seu pedido de status de refugiado negado três ou mais vezes pode ser uma violação do direito internacional. De acordo com o ministro da Justiça do Japão, Kamikawa Yoko, as críticas são inadequadas.

“O rascunho da revisão foi estudado por um painel de especialistas, incluindo juristas internacionais, advogados e funcionários de ONGs”, diz ela. “Se o painel da ONU tivesse a chance de ouvir as explicações do governo japonês com antecedência, teria entendido corretamente o contexto, o conteúdo e a adequação da revisão.”

O caminho a seguir

O líder do Posse Iwahashi Makoto disse que seu grupo está olhando para além da batalha atual: “Muitos jovens estão demonstrando interesse nas questões que os estrangeiros enfrentam. Eles se opõem à revisão do projeto e se irritam com as violações dos direitos humanos”.

“Abolir o projeto de revisão não é suficiente. Continuaremos a nos opor a ela e unir forças para buscar a garantia dos estrangeiros – inclusive dos requerentes de asilo – do direito humano universal de viver sem medo de deportação ou pobreza. Exigiremos que o governo permita para que tenham acesso à segurança social, pois não têm uma rede de segurança. ”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui