Início Cultura Imigração japonesa inspira “O país das luzes flutuantes”

Imigração japonesa inspira “O país das luzes flutuantes”

0
69
Imigração japonesa inspira

“O país das luzes flutuantes”, romance de Marco Catalão, acaba de ser lançado pela editora Filocalia e tem como base uma pesquisa sobre a imigração japonesa, especificamente na região do Vale do Ribeira paulista. O enredo ficcional envolve personagens com fatos históricos, tradições e heranças culturais trazidas do Japão, desde o cultivo de chá à cerimônia Tooro Nagashi que homenageia os antepassados.

O livro foi contemplado pelo Edital nº 22/2019 – Produção e publicação de obras sobre patrimônio histórico e cultural material e imaterial no Estado de São Paulo – do programa de Ação Cultural ProAC, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo.

O jogo Go permeia a narrativa e é através dele que as duas personagens centrais se encontram, um garoto brasileiro e um senhor japonês, que mal fala português, em Registro (SP). Assim como nesse jogo de tabuleiro, o livro alterna as duas vozes narrativas: a do narrador contemporâneo – que, após 20 anos, em busca do passado do seu oponente acaba se deparando com sua própria história – e a do próprio senhor Yasuru Ota, cuja história vai sendo revelada à medida que os manuscritos dele, que estavam escondidos, vão sendo traduzidos.]

O romance “O país das luzes flutuantes” resulta de um processo intenso de pesquisa e referências literárias. O levantamento envolveu entrevistas com dezenas de pessoas da colônia japonesa do Vale do Ribeira e visitas a bens culturais da imigração japonesa tombados pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), como as fábricas de chá Amaya e Kawagiri, as residências Shimizu, Fukusawa, Amaya e Hokugawa, a sede da Kaigai Kogyo Kabushiki Kaisha, a Igreja Episcopal Anglicana, a Igreja de São Francisco Xavier, as plantações de chá com as primeiras mudas da variedade Assam e o Conjunto Histórico e Paisagístico de Iguape. Além, claro, de acompanhar a celebração da cerimônia do Tooro Nagashi, cuja imagem inspira o nome do livro.

Marco Catalão é poeta, dramaturgo e ficcionista. Nasceu e cresceu em Pereira Barreto (SP), cidade fundada por imigrantes japoneses. Vive em Campinas (SP), onde cursou Letras e obteve os títulos de mestre (2002) e doutor (2013) em Teoria e História Literária pela Unicamp.

Dentre os prêmios nacionais e internacionais, destacam-se o primeiro lugar no Concurso Nacional de Contos Luiz Vilela, em 2008 (com um texto intitulado Kenji, acerca de um casal de imigrantes japoneses), o Prêmio Internacional Literatura Para Todos, em 2009 (pelo livro de poemas No cravo e na ferradura), o Prêmio Luso-Brasileiro de Dramaturgia (pela peça Agro Negócio), em 2010, a Bolsa Funarte de Criação Literária, em 2011, e o Prêmio Ideal Clube de Literatura, em 2012 (ambos pelo livro de poemas Sob a face neutra).

Em 2018, recebeu o Prêmio de Incentivo à Publicação Literária, do Ministério da Cultura. Em 2019, voltou a receber o mesmo prêmio, desta vez conferido pelo Ministério da Cidadania. No mesmo ano, foi indicado para o Prêmio Açorianos de Melhor Dramaturgia do Ano, pelo trabalho em conjunto com Camila Bauer e Pedro Bertoldi em Inimigos na Casa de Bonecas (peça vencedora do International Ibsen Scholarships). Em 2020, seu livro “As asas do albatroz” venceu o Prêmio Rio de Literatura na categoria poesia.

O país das luzes flutuantes

Marco Catalão

Editora: Filocalia

Obra produzida e publicada pelo Programa de Ação Cultural da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui