Início Esportes Sociedade Esportiva Matsubara: O clube Mais Japonês do Brasil

Sociedade Esportiva Matsubara: O clube Mais Japonês do Brasil

0
98
Sociedade Esportiva Matsubara: O clube Mais Japonês do Brasil

Esta semana a coluna Samurais da Bola, apresenta a Sociedade Esportiva Matsubara foi uma equipe tradicional do Paraná. Fundado por Japoneses e com uma grande ligação com uma empresa de algodão de nome Grupo Matsubara, que deu nome ao clube.

O time era conhecido por revelar jogadores em suas categorias de base, não apenas isso, o Matsubara conquistou nove títulos paranaenses de juniores. Disputou o campeonato regional da primeira divisão a partir de 1976, quando na ocasião, conquistou o torneio de acesso.

HISTÓRIA E ORIGEM DO CLUBE

A conquista do Torneio Frei Raphael Froner em Bandeirantes no ano de 1974 deixou os diretores animados. A fim de que o time ganhasse importância, decidiram incluí-lo no Campeonato Amador de 1975. O torneio era promovido pela Liga Regional de Futebol de Cornélio Procópio. O clube também ganhou o direito de disputara Taça Paraná, que reúne os campeões amadores de todas as ligas filiadas à Federação Paranaense de Futebol.

Dois anos após sua fundação, em 1976, a S.E. Matsubara passou a integrar a 1ª Divisão de Profissionais do Paraná. Logo depois da conquista do vice-campeonato daquele ano, assegurou sua participação na extinta Divisão Especial. Ainda em 76, o Matsubara levou a F.P.F. a realizar o 1º Campeonato Estadual de Juvenis, um campeonato unificando Norte e Sul do Paraná. De 1977 em diante, em suas dez primeiras disputas, o time de Cambará venceu sete e foi vice em três.

Foto: Reprodução/Sociedade Esportiva Matsubara

Em 1980 a S.E. Matsubara fundava o C.T. Vila Olímpica, enquanto nenhum outro clube do Paraná possuía um C.T., tornando-se o primeiro clube a disponibilizar este recurso para seus atletas. O clube se tornou referência nacional em trabalho com categorias de base, além de ganhar muito sucesso no meio futebolístico. O resultado disso foi o título estadual de juniores por nove vezes, título que o Athletico Paranaense conquistou somente em 2008.

Um fato que demonstra o poder de carisma desse clube é que seu estádio, o Estádio Regional de Cambará, foi construído pelos torcedores e pela própria população da cidade, tudo para que o time tivesse um lugar para mandar suas partidas.

ALGUNS NOMES QUE PASSARAM PELA S.E. MATSUBARA

LELA

Reinaldo Felisbino, que era conhecido como Lela, foi um dos nomes conhecidos do futebol que passaram pelo time de Cambará. Ele é ídolo no Coritiba. É pai de Alecsandro, atualmente jogando pelo CSA, e também de Richarlyson, atualmente no Noroeste, time de revelação de seu pai. O Lela atuou pelo Matsubara no ano de 1982 até ser contratado pelo coxa em 83.

Vale ressaltar que quando ainda atuava pelo Noroeste, o jogador foi convocado para a Seleção Brasileira sub-20, e disputou o Campeonato Sul-americano de 1981. Ademais, no mesmo ano, também junto com a Seleção, disputou o Torneio de Toulon. Lela teve passagens por: Fluminense, Internacional e América-RN. Tornou-se um dos maiores jogadores da história do Coritiba.

Lela o primeiro agachado, com o time de 1982. Foto: Reprodução/Sociedade Esportiva Matsubara

NILMAR

Um jogador que iniciou sua carreira no Matsubara foi Nilmar. Atualmente longe dos gramados o jogador teve uma passagem curta de praticamente um ano. Em seguida foi negociado com o Internacional de Porto Alegre, clube que lhe deu a primeira chance como profissional, em meados de 2003. Com apenas 18 anos de idade, começou a ganhar destaque até tornar-se peça fundamental na equipe. Nilmar surgiu nas categorias de base do Matsubara, foi negociado como Inter ainda no juvenil.

https://www.facebook.com/photo/?fbid=1050873424929010&set=a.1602144046468609

https://www.facebook.com/photo/?fbid=1050873424929010&set=a.1602144046468609

RATINHHO

Um terceiro nome conhecido que tem passagem pelo time de Cambará é o de Everson Rodrigues, o Ratinho. Ele é outro revelado pelas categorias de base do Matsubara, e ainda no juvenil foi negociado com o Athletico Paranaense. Ganhou notoriedade no furacão até ser vendido para o Kaiserslautern da Alemanha, onde viveu seu auge. Foi mais um bom nome que surgiu da máquina de revelar jogadores, a Sociedade Esportiva Matsubara.

Ratinho à direita. Foto: Reprodução/Sociedade Esportiva Matsubara

NETO

Em 1995, o Matsubara investiu para tentar melhorar a agremiação do clube. E com isso jogadores importantes foram contratados, decerto o nome mais festejado foi o de Neto. Apesar de estar vindo de uma temporada ruim, o jogador ainda assim chegou depois que já havia conquistado títulos importantes pelo Corinthians, além da façanha de ter passagem pelos quatro grandes de São Paulo.

José Ferreira Neto chegou ao Matsubara, como esperança para que o time brigasse com os grandes do estado, Coritiba, Athletico e Paraná. O jogador chegou e aceitou o “desafio”, inclusive dando algumas declarações polêmicas.

Com toda certeza o investimento no jogador valeu à pena. Sendo assim, o Matsubara e Neto fizeram uma boa campanha no Paranaense daquele ano. Terceira colocação para a equipe e dez gols para o camisa 10. As polêmicas marcaram sua curta passagem pelo time de Cambará, mas ao melhor estilo Neto, o jogador encerrou sua carreira alí.

FIM DE UM ÍCONE

Por fim, a S.E Matsubara começou a sofrer com uma recaída, em 1996 totalmente falido e sem torcida, o clube foi sumindo até fechar as portas em 2009. Decerto deixa muita saudade e um legado muito legal na história do futebol paranaense e brasileiro. Surpreendentemente tentou um suspiro em 2011 enquanto disputou a última divisão do Campeonato Paranaense, mas terminou na última colocação, logo abandonou de vez o futebol.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui