Artesão japonês desafia a tradição ao produzir “Hanko”

0
59
Artesão japonês desafia a tradição ao produzir

Fumikazu Matsuzaki trabalha há 40 anos fazendo “hanko”, e viu seu comércio ser colocado em perigo repentinamente quando o procedimento tradicional de formalização de documentos tornou-se alvo de críticas, principalmente porque as pessoas foram forçadas a trabalhar remotamente, devido a pandemia do coronavírus.

Então Matsuzaki perdeu seu fluxo de receita quando as vendas do hanko feito para estrangeiros, caíram devido à queda no número de visitantes e turistas que normalmente os encomendavam como souvenirs ou presentes exclusivos e personalizados.

Forçado a procurar novos negócios com seus clientes e agora trabalhando em casa, Matsuzaki agarrou-se a uma ideia nova: fazer um hanko digital.

“Eu estava no fundo do poço porque você vê algo que você fez por 40 anos repentinamente rotulado como “não é mais necessário'”, disse Matsuzaki, dono de uma loja de hanko de terceira geração em Tóquio.

“Mas também é verdade que saí dessa negatividade e olhei para a vida de uma forma diferente por causa do hanko.”

Matsuzaki diz que a tradição do hanko, não deve ser apenas culpada pela dependência aparentemente retrógrada do Japão em papel e tinta. Dito isso, ele reconhece que provavelmente é hora de uma reavaliação.

Os japoneses usam o hanko para autenticar contratos e outros documentos importantes, uma prática que alguns críticos dizem que mantém as empresas afundando em um mar de papel.

O “hanko” e as marcas de tinta vermelha que eles deixam, chamadas de “inkan”. (Foto cortesia de Bunbukudo Inbo Co.) (Kyodo)

Fundada em 1921, a loja Bunbukudo Inbo Co. de Matsuzaki, é uma mistura do antigo e do novo. Ela vende hanko feito à mão por artesãos que passam semanas esculpindo cuidadosamente as peças delicadas. Os japoneses costumam registrar esses carimbos junto às autoridades como forma de identificação e usá-los em ocasiões importantes, como na compra de uma casa ou carro.

Mas nem todos os hanko são criados iguais e são cuidadosamente esculpidos por uma pessoa. Um outro tipo de hanko e com preço mais acessível, pode ser produzido por uma máquina em cerca de meia hora na loja de Matsuzaki.

Ele então, decidiu digitalizar o “dual hanko”, ou carimbos de madeira nos quais nomes não japoneses são gravados em caracteres kanji japoneses e no alfabeto, e vendê-los como imagens online. A Bunbukudo Inbo havia vendido cerca de 800 carimbos de madeira desde o lançamento da série em 2017. Para ele, entrar na era digital não exigiria uma visita à loja sem risco de infecção por coronavírus.

O design do hanko digital é único porque ele o cria com base na escolha de fonte e caracteres kanji de um cliente que soam próximos ao nome estrangeiro original. Os preços variam de 2.750 ienes (US $ 25,70) a 3.300 ienes, e Matsuzaki espera que os carimbos digitais possam ser usados ??para vários fins, incluindo fotos de perfil nas redes sociais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui